terça-feira, 7 de janeiro de 2014

crônica do adeus

Sempre achei que fosse um clichê falar que é difícil dizer adeus. Que nada! Dói – e como dói. A alma parece ficar dilacerada e o coração, aos pedaços. Tudo fica triste, melancólico. Até mesmo as pessoas nas calçadas parecem olhar para você sabendo que tudo está a um passo do fim.

E eu que pensei que esse momento nunca fosse chegar. Até passou pela minha (ingênua) cabeça, há alguns meses, tentar dar um drible aqui, uma gingada de corpo lá... Tudo para adiar o fim, mas não adiantou. Quando percebi, já estava cara a cara com a necessidade de dizer adeus!

A vida me obrigou a fazer isso, espero que vocês entendam. Não sei como será daqui pra frente. Não sei como irei me comportar. Não sei como conseguirei viver sem vocês. Espero apenas que este período não seja tão difícil como anda sussurrando o meu sexto sentido. 

Só espero que a vida entenda que eu não tive escolha. 

Pois é... A gente ainda se encontra um dia, calabresa, X-bacon, pizza, chocolate, picanha...  

Nenhum comentário:

Postar um comentário