terça-feira, 23 de outubro de 2012

como vejo o amor

Sabe como eu imagino o amor às vezes?

Um treco – um bicho travesso, melhor dizendo – que caminha sempre pelos nossos cantos mais confusos, que se esconde nas nossas esquinas mais perigosas, que zomba dos nossos sonhos mais reais, que se disfarça de solidão nas nossas loucuras temporárias, que rabisca a folha que deixamos propositalmente em branco, que surge do nada e nos prega um baita susto, que faz barulho quando pedimos silêncio, que nos tapa os ouvidos quando queremos barulho, que se camufla em sons e cheiros, que também adora ser a raiva e o ódio, que nos causa um aperto no coração, que nos faz sentir saudade sempre quando não queremos sentir saudade, que atrasa e adianta as horas, que vive, que sobe, que desce e que, sempre que o procuramos, desaparece.

4 comentários:

  1. Que nos mantém respirando, achando graça e motivo na existência.

    Gostei muito.
    Paz e bem!

    Sônia gabriel

    ResponderExcluir
  2. Belo texto Vini "...Que seja eterno enquanto dure...."

    ResponderExcluir
  3. vc conseguiu algo muito difícil: descrever um sentimento. é bem assim que tb vejo o amor!

    ResponderExcluir
  4. É. O amor é uma coisa enrolada... indefinida. É um "sdruss".
    Parabéns para você em sua definição !!!!!!!!!!!!!!!!!!1

    ResponderExcluir