sexta-feira, 20 de abril de 2012

(Nem tão) Felizes pra sempre – assunto da manhã: por que nem tudo é perfeito?


Desde que ela falou que estava grávida, não houve mais nenhuma briga. Tudo estava perfeito. Mas ele precisava conversar com ela. Algo sério.

- Meu amor, preciso te falar uma coisa!
- O que aconteceu?
- Nada de muito grave... Bom, pelo menos por enquanto.
- Para com esse mistério e fala logo.
- Tá! Mas, antes, deixa eu falar algumas coisinhas que ainda não falei.
- …
- Você não tem ideia de como estou me sentindo agora como pai. Eu sei que o nosso filho...
- Filha!
- Que seja! Eu sei que ele ou ela ainda nem nasceu, mas acho que sou uma outra pessoa. Acho não, tenho certeza. Essa criança só me fez ter mais certeza ainda de que eu gosto de você! De que te amo mesmo, de verdade!

Ela, mais sensível do que antes, levantou-se do sofá e o abraçou. Foi um abraço diferente: intenso e caloroso.

- Eu também! Mas ainda continuo preocupada. O que você tem pra falar? Lembra que não posso mais viver sob fortes emoções.
- Sei, sei...
- Então...
- Então...
- …
- Fala pelo amor do nosso filho, fala!
- Não sei como dizer!
- Fala se não vou ter um treco.
- Tá bom. É o seguinte: a filial do Brasil do meu trabalho vai fechar!
- Como assim?
- Não sei o que aconteceu direito, mas deve ser por conta dessa maldita crise. Eles vão ficar apenas com a sede na Espanha.
- E agora?
- Agora que hoje o meu chefe me chamou na sala dele e me convidou para ir trabalhar com ele na Espanha.

Com a cabeça baixa e voz trêmula, ele continuou.

- Enfim, ou eu aceito ir pra lá ou estou desempregado a partir da semana que vem!
- Meu Deus!
- E ao mesmo tempo eu fico pensando: ir trabalhar num outro país, com os caras mais fodas da minha área e ganhar mais é tudo aquilo que imaginei, tudo o que quis, entende?
- Então vai, ué. O que podemos fazer?
- Não é assim. Pensa só: não vou conseguir te levar agora. Pelas minhas contas vou ter que esperar uns bons meses pra eu me estabilizar pra você ir pra lá. E outra: não vou poder acompanhar a sua gravidez? Isso não é justo!
- Mas temos que pensar no dinheiro. Fazer o que? Infelizmente é assim! Qualquer coisa eu chamo a mamãe pra ficar aqui comigo...
- A questão não é essa. Eu sei que você vai ficar bem amparada, bem cuidada aqui. Mas eu não quero perder essa fase. É isso!
- E quando você tem que dar a resposta pro seu chefe?
- Quinta-feira que vem!

Um comentário: