quarta-feira, 17 de agosto de 2011

nada mais que um hoje


O que eu só quero é um hoje vivo e pulsante,
de cor vermelha,
um hoje cheio de detalhes,
de preferência, sem retalhos,
direto e repleto,
com horas lentas e minutos eternos,
um hoje sem qualquer e sem talvez,
um dia certo e concreto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário