terça-feira, 29 de junho de 2010

a madrugada

Na madrugada,
de alma lavada,
vendo a cidade desligar,
um dia aquietar,
um novo estranho mundo acordar,
o silêncio falar,
as vozes a calar,
e a vida, tranquila,
passar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário