quarta-feira, 23 de setembro de 2009

e a língua? o gato comeu!

Tudo começa pela boca. Quer dizer, pelo beijo. Eu diria que ele – o beijo – é a primeira impressão num relacionamento. É ele quem vai determinar se a relação será, ou não, duradoura. Porque, do contrário, o seu caso não vai passar de um simples e corriqueiro... Caso! Vá por mim. E outra: não pense que estou rogando praga. Juro que não estou. Essa é apenas mais uma verdade. Beijo ruim é pior do que mexido de repolho com ovo cozido.

Mas o pior tipo de beijo nem é aquele que vem acompanhado de um super bafo. O pior – acredite – é o beijo sem língua. E o meu amigo, coitado, teve uma grande desilusão amorosa porque beijou uma colega de trabalho cuja língua o gato comeu, mastigou e engoliu. E pensar que o pobre apaixonado investiu tanto... Foram várias conversas, indiretas, diretas, xavecos, convites recusados. Tudo para, no final das contas, desembocar num beijo que, simplesmente, não existiu.

Eu compartilho com o meu amigo essa desilusão. Porque só quem já beijou alguém sem língua sabe como é terrível. A minha única experiência sem língua aconteceu na época da adolescência. Seu nome era Gabriela, lembro bem. Pele clarinha, cabelos na altura dos ombros, olhos apertadinhos. Beijei-a numa festa junina da escola. Fomos atrás da barraca do cachorro quente (nunca vou me esquecer disso!) e nos beijamos. Quer dizer, eu a beijei, né?, porque ela devia estar com a língua enrolada no estômago. Certeza.

E olha que eu tentei procurar a sua língua, heim? Não achei! Dei uma boa vasculhada na sua boca e nada. Resultado: beijo-técnico-esquisitaço. Juro que fiquei com vontade de abrir o jogo; de perguntar se ela nunca havia treinado no espelho do banheiro, na mão ou tentado pegar gelo do copo com a língua. Algo do gênero, sei lá.

Depois disso, eu ainda diria que a poesia do beijo está no toque dos lábios, nos olhos se fechando lentamente, nas mãos se encontrando, no salto da imaginação, no desejo implícito nesse simples ato, na vontade sendo saciada, na esperança... Diria, só para encerrar, que o beijo é química e língua!

Ouviu?

L Í N - G U A !

2 comentários:

  1. hauahuahauhaua!!!
    Coitado do seu amigo!

    ResponderExcluir
  2. Aháhá! [morrendo de rir aqui!]
    Que coisa mais comédia isso tudo! E... atrás da barraca do cachorro quente??? Que louco! x_x
    Aiai... nem sei o que dizer, mas concordo. Beijo seco deve ser tão....seco! ahahahahahaha...
    [to rindo até agora...]
    Amo suas crônicas! Passo aqui de vez em quando... mas dessa vez eu tinha que comentar! Morri de rir!
    Beijos [na bochecha, e sem língua! hahahah]

    ResponderExcluir